Caça Notícias
Veja Notícias sobre Ciência
 
 
 

 
LOCAL > SOFTWARE > MULTIDISCIPLINAR > ZERO 2.0
 
 
 

7. Como funciona o programa?

No capítulo seguinte deste manual ("Um exemplo...") pode confirmar alguma instrução menos óbvia, bem como ter acesso a um conjunto de sugestões adicionais.

    1. Para fazer um teste de múltipla escolha, gerando os respectivos ficheiros de correcção (óptica ou na impressora) deve entrar no processador de texto Word. Na opção NOVO (NEW) deverá partir não de um documento virgem, mas de um MODELO (TEMPLATE) com o nome ZERO. Este MODELO (TEMPLATE) ZERO foi criado durante a instalação do programa. Alternativamente, poderá partir de um teste de ME já elaborado e, apagando o que não lhe interessa, fazer GUARDAR COMO (SAVE AS), atribuindo um novo nome ao documento que quer gerar, não danificando, assim, aquele de que partiu.

    2. Sugere-se que, desde logo, guarde o teste na opção GUARDAR (SAVE) do menu FICHEIRO (FILE) (ver capítulo "Sugestões para gerir e atribuir nomes aos ficheiros dos testes").

    3. Na segunda linha deve começar a escrever o cabeçalho do teste, que pode igualmente importar de outros testes anteriores.

    4. Introduzir a primeira pergunta(1) (recomendamos que o faça a letra tipo negrito ou bold). Mudar de linha e introduzir uma tabela com o número de células correspondentes ao número de opções que quer incluir em cada pergunta. Pode usar o comando TABELA (TABLE) e escolher INSERIR TABELA (INSERT TABLE), seleccionando o número de linhas e colunas que desejar. Alternativamente, poderá usar o ícone de inserção de tabelas se o tiver instalado.

    5. Escrever a resposta correcta na primeira célula à esquerda e em cima. Para mais do que uma resposta certa colocar na segunda célula e assim sucessivamente, seguindo o critério de leitura comum (esquerda-direita, cima-baixo, conforme o cursor se desloca com a tecla "Tab"). Ver adiante o capítulo "Como dar ao computador a instrução de que se pretende mais do que uma alternativa correcta?".

    6. Escrever as restantes alternativas nas outras células, tendo o cuidado de não deixar células vazias. Se escolher uma tabela de duas linhas por três colunas, por exemplo, e quiser apenas cinco opções, deverá eliminar a última célula (seleccionar a respectiva célula e seleccionar ELIMINAR CÉLULA, DELETE CELL, no menu TABELA, TABLE).

    7. Repetir os procedimentos 3, 4 e 5 para as restantes perguntas (poderá com benefício usar os comandos COPIAR (COPY) e COLAR (PASTE) para perguntas e tabelas de respostas, em vez de inserir sistematicamente tabelas).

    8. Depois do teste concluído deverá inserir antes de cada tabela a informação de que essa tabela constitui uma série de opções para pergunta de ME. Para não ter que repetir esse procedimento para cada tabela poderá correr a opção AUTO-INSERIR PERGUNTAS ME que está disponível no menu FERRAMENTAS (TOOLS). Neste caso terá de ter o cuidado de eliminar posteriormente os campos que antecedam eventuais tabelas descritivas que fazem parte do teste e não constituem alternativas de resposta.

    9. Para fazer a remoção dos campos em tabelas que não são de respostas de ME, ou, genericamente, para visualizar onde estão inseridos tais campos, pode activar a opção VER CAMPO, disponível no menu FERRAMENTAS (TOOLS). Seleccionar com o rato a expressão {seq Choices \h \r 1} e apagar.

    10. Para elaborar perguntas com duas ou mais respostas certas, tem de activar a visualização dos campos e substituir o número 1 na expressão {seq Choices \h \r 1} pelo número de respostas correctas a inserir (as respostas correctas serão introduzidas nas primeiras células, seguindo o critério direita-esquerda e cima-baixo).

    11. Antes ou depois das perguntas de ME poderá elaborar perguntas tradicionais e incluí-las no enunciado do teste (as respostas, porém, podem ser dadas na própria folha de respostas, cujo verso, pelo menos, está disponível para o aluno responder). Alternativamente, poderá colocar as questões tradicionais que entender e respectivos espaços para resposta na folha de respostas que será automaticamente criada quando gerar os testes aleatorizados.

    12. O passo seguinte é formatar o texto dos testes. Há sempre ligeiros ajustes de tipo e tamanho de letra, parágrafos, etc., com vista a uma melhor estética e economia de folhas.

    13. Aconselha-se que GUARDE (SAVE) o documento em causa.

    14. Finalmente deverá gerar os testes aleatorizados. Para tal, escolher a opção GERAR TESTES no menu FERRAMENTAS (TOOLS) e escolher o número de testes que quer gerar. Os ficheiros para corrigir estes testes serão gravados na directoria C:\ZERO (criada automaticamente na instalação do programa) com a extensão .zer. Se já tiver um documento com o mesmo nome, a respectiva chave de correcção será apagada e substituída por aquela que está a criar (daí o interesse em gravar os seus testes com nomes sempre diferentes). Os testes gerados serão gravados num novo documento que, na maioria dos casos, é prescindível e pode nem ser guardado. É igualmente criada uma Folha de Respostas personalizada a distribuir pelos alunos, com o número de questões e o número de opções de resposta adequados ao teste em causa(2). As folhas de resposta devem ser preenchidas pelo aluno com caneta preta, ainda que préviamente devam ser preenchidas a lápis para facilitar qualquer alteração de resposta.

    15. Para corrigir os testes escolher a opção CORRIGIR TESTES no menu FERRAMENTAS (TOOLS) (pode também aceder ao programa de correcção de testes sem entrar no programa Word. Basta um clique no ícone do programa ZERO, que se encontra no grupo ZERO, previamente criado no disco C)

Fig. 3 Janela do programa de corrigir testes.

    16. Deverá, como primeiro passo, seleccionar a opção LER TESTE, disponível no menu GERAL.

    17. Seguidamente deverá escolher o ficheiro que corresponde ao teste que quer corrigir (escrevendo ou clicando no nome do ficheiro respectivo(3)) (ver Fig 4.)

Fig. 4 Lendo um ficheiro de respostas. No caso da figura, o acesso ao programa está a ser feito fora do processador de texto, embora também possa funcionar dentro do programa Word.

    18. A seguir há que seleccionar as folhas dos testes já feitos pelos alunos por versões (A, B, C, etc.) e colocá-los na impressora de forma correcta. Escolher a opção IMPRIMIR CHAVES. Sugere-se uma primeira experiência num teste "virgem", já que ligeiros ajustes podem ser necessários na orientação de página em virtude de oscilações da página, quando se fotocopiam as folhas de respostas para distribuir pelos alunos. Deverá escolher igualmente se a impressão de chaves se faz a vermelho (por defeito) ou a preto (ver Fig 5.).

Fig. 5 Janela para impressão de respostas nos testes já feitos pelos alunos.

    19. Basta agora seleccionar o número de testes de cada versão e escolher a opção IMPRIMIR.

    20. Repetir este procedimento para os lotes de testes seguintes.


(1) Recomendamos vivamente que proceda à numeração das perguntas com o comando INSERIR (INSERT), CAMPO (FIELD), NUMERAR (NUMBERING), já que, desta forma, a numeração é automática podendo intercalar mais perguntas ou alterar a sua ordem sem se preocupar em (re)numerar as questões. Este formato (pergunta ME precedida dum campo de numeração), é particularmente interessante para a permuta de perguntas ME. A importação de questões de bases de dados (de testes antigos, do próprio ou de outrem, da Internet, de disquetes comerciais, etc.) é assim mais prática, poupando-se ao utilizador a tarefa de numerar questões e permitindo uma fácil recomposição de testes.

(2) A geração dos testes pode ser um processo relativamente lento, dependendo da velocidade do seu computador e do número de figuras do teste.

(3) Os ficheiros que podem ser lidos deverão ter a extensão .zer ou .zex. Os primeiros têm a informação relativa à chave de respostas do teste respectivo. Os segundos, para além da informação dos ficheiros de extensão .zer, possuem informação relativa às correcções dos testes elaboradas em scanner (resultados dos alunos, números, turmas, etc.).

 
 
Pesquisa

Pesquisar

Pesquisa Avançada
 
 APOIOS
  Ciência Viva - Agência Nacional para a Cultura Científica e tecnológica CRIE - Equipa de Missão Computadores, Redes e Internet na Escola
FEDER - Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional
POS_C - Programa Operacional Sociedade do Conhecimento
 
 RESPONSABILIDADE
  Centro 
de física Computacional da Universidade de Coimbra
 
 COLABORAÇÕES
  Cnotinfor, Lda Faculdade 
de Ciências da Universidade do Porto
  Exploratório - Centro Ciência Viva Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra
Centro de Física Computacional © 1998 - 2005 Todos os direitos reservados.
web design:
www.cnotinfor.pt