Caça Notícias
Veja Notícias sobre Ciência
 
 
 

 
LOCAL > FISICA > 8. ANO > ELECTRICIDADE > PRODUCAO E TRANSPORTE DE ELECTRICIDADE
 
 
 

Corrente eléctrica no mundo e em Portugal

 

    A corrente eléctrica transporta energia eléctrica, como vimos. Conhecemos a extrema importância da electricidade nos dias de hoje: em nossas casas, na indústria, nos hospitais, nas escolas, na vida das cidades ou dos campos é óbvia a dependência que todos temos da energia eléctrica e da corrente.

    Para produzir corrente eléctrica, numa central, é necessário transformar energia de uma forma noutra.

    A gestão de energia no nosso planeta não é uma tarefa fácil. Não se trata só de poupar as reservas energéticas que se vão consumindo (carvão, petróleo, gás natural, urânio, etc.). É necessário também estar atento às questões da poluição do ambiente, cada vez mais importantes para a qualidade de vida das pessoas. E ainda atender às questões de segurança.

    Portugal consome mais electricidade do que aquela que produz. Por este facto, tem de importar energia eléctrica, nomeadamente de Espanha e de França (cerca de 60% da energia eléctrica consumida no nosso país é importada).

    A maior parte da energia produzida no nosso país provém de centrais termoeléctricas. Em Portugal, não há centrais nucleares.

    Como se produz corrente eléctrica numa central termoeléctrica ou numa central hidroeléctrica (barragem)?     -Verificar Experiência 2.6 -

    O dínamo de uma bicicleta, uma central hidroeléctrica ou uma central termoeléctrica e a grande maioria dos geradores de corrente eléctrica baseiam-se neste princípio: magnetes em movimento em relação a um circuito produzem uma corrente eléctrica (umas vezes é o magnete que roda e o circuito eléctrico está fixo - no dínamo da bicicleta, por exemplo - outras vezes o magnete está parado e é o circuito eléctrico que roda - rotor de uma barragem, por exemplo).

    Qualquer que seja o modo de produção de energia eléctrica, há perdas de energia no seu transporte que não se podem evitar. Por exemplo, durante o transporte de energia, das centrais onde é produzida até aos locais de consumo (que podem estar a mais de 2000 km de distância), desperdiça-se muita energia pelo já referido efeito Joule. Seria bom mas impossível que não se perdesse essa energia (e dinheiro!) na importação de energia eléctrica que o nosso país faz. Por exemplo, cerca de 10 % da energia que sai das centrais espanholas e francesas perde-se em aquecimento, durante o transporte nos fios, até chegar até nós. Este é um exemplo claro de um efeito térmico da corrente eléctrica indesejável. Mas há vários outros exemplos de degradação de energia, isto é, de transformações de energia de uma forma útil em formas que não podem ser aproveitadas.

    Note-se que a energia não se perde: apenas se transforma!

 

Transformadores

 

    Os fios eléctricos que transportam a corrente em longas distâncias chamam-se fios de alta tensão. Pode agora compreender-se a razão desse facto: relembrando que a potência fornecida à linha de transporte é o produto da tensão pela intensidade de corrente eléctrica, conclui-se que, para uma potência fornecida constante, quanto maior for a tensão menor será a intensidade de corrente que percorre o fio. E quanto menor for a intensidade de corrente, menor será a potência dissipada (desperdiçada) por efeito Joule, que é dada pela relação Os fios aquecem menos!

    Importa usar altas tensões para o transporte, - minimizando os desperdícios por efeito Joule - e baixas tensões para distribuir no consumo doméstico. Normalmente a tensão à saída da central é 25 000 V e, em nossas casas, é de 220 V.

    Para variar a tensão no transporte de corrente eléctrica usam-se transformadores. Os transformadores, como o próprio nome indica, transformam tensões baixas em tensões altas ou vice-versa, permitindo, aumentar ou diminuir do mesmo factor a intensidade de corrente eléctrica.

    Os transformadores vulgares são constituídos por um grupo de chapas metálicas sobrepostas à volta das quais são colocados dois enrolamentos com diferente número de espiras. O enrolamento por onde entra a corrente chama-se primário e o enrolamento por onde sai a corrente (de tensão diferente) chama-se secundário (figura 2.31).

Figura 2.31 - Transformador industrial e esquema de um transformador simples que diminui a tensão.

    O factor de transformação de tensão depende da relação entre o número de espiras enroladas no primário e no secundário. Pode escrever-se:

sendo Vs a tensão no secundário, Vp a tensão no primário, ns o número de espiras no secundário e np o número de espiras no primário.

    - Verificar Questão 2.6 -

    Os grandes transformadores colocados à saída das centrais produtoras de electricidade e nas estações intermédias de distribuição de electricidade funcionam desta forma. A figura 2.32 apresenta um esquema de produção, transporte e transformação de electricidade, desde o local onde é produzida a energia eléctrica até aos vários locais de consumo.

Figura 2.32 - Esquema de transporte e transformação de corrente eléctrica.

 


 

 
 


::. Questão 2.6 [html, 1.4kb]

 
 


::. Experiência 2.6 [html, 1.6kb]

 
 
 
Pesquisa

Pesquisar

Pesquisa Avançada
 
 APOIOS
  Ciência Viva - Agência Nacional para a Cultura Científica e tecnológica CRIE - Equipa de Missão Computadores, Redes e Internet na Escola
FEDER - Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional
POS_C - Programa Operacional Sociedade do Conhecimento
 
 RESPONSABILIDADE
  Centro 
de física Computacional da Universidade de Coimbra
 
 COLABORAÇÕES
  Cnotinfor, Lda Faculdade 
de Ciências da Universidade do Porto
  Exploratório - Centro Ciência Viva Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra
Centro de Física Computacional © 1998 - 2005 Todos os direitos reservados.
web design:
www.cnotinfor.pt